Translate this page now :



»Programação
»Programação.NET
»Banco de Dados
»Webdesign
»Office
» Certificações Microsoft 4
»Treinamentos4
»Programação 4
»Webdesign«
»Office & User Tips«
»Grupos de Usuários
»Células Acadêmicas«
intcontpiada : 118
Vá dormir
Você já está cadastrado e participa do grupo de usuários de sua cidade ? Se não, comente o porque.
 
 
Faça um pequeno teste com 10 questões de VB
.:.
Teste seus conhecimentos em Visual Basic, SQL Server e ASP 3.0 com nossas provas on-line
.:.
Aprimore seus conhecimentos em programação com nosso treinamento on-line de lógica de programação
.:.
Veja nosso calendário de treinamentos
Gostou da Página?
Então

para um amigo!
 





Por Dennes Torres
dennes@bufaloinfo.com.br
Dennes Torres possui as certificações MCAD, MCSD,MCSE, MCDBA e MCT. Atualmente atua Como diretor da Búfalo Informática, líder do grupo de usuários DevASPNet no Rio de Janeiro e membro da liderança dos grupos getWindows e devSQL, também do Rio de Janeiro, podendo sempre ser encontrado na lista de discussão do grupo DevASPNet (devaspnet-subscribe@yahoogrupos.com.br) bem como nas reuniões do grupo. Mantém dois blogs em http://cidadaocarioca.blogspot.com

Um Pouco sobre o ASP.NET 2.0

Pesquisa personalizada
Pesquisar Dicas:






Instalei recentemente o Beta 1 do Visual Studio 2005, tudo que eu já tinha visto era apenas uma versão Alpha, não este beta. As novidades que eu já conhecia da versão Alpha estão lá, e outros detalhes mais. As novidades são tantas que as vezes alguns detalhes - não menos importantes, acabam passando despercebidos.

Já escrevi um artigo sobre as novidades do desenvolvimento para windows (http://www.bufaloinfo.com.br/artigos/artigo010704.asp), com base na versão express do VB.NET, vamos então ver algumas das novidades do desenvolvimento para web.

Resolvido o problema dos validators

No ASP.NET 1.1 os validators eram ao mesmo tempo uma solução e um calvário.

Quando temos 2 formulários distintos em um mesmo form se torna muito complicado fazer uso dos validators, porque quando um botão é clicado os validators de ambos os formulários são disparados, ao invés de um só.

Agora todos os webControls possuem uma propriedade chamada validationGroup. Desta forma fica resolvido o problema que tinhamos com os validators, nos casos em que tinhamos dois ou mais grupos de campos a serem validados na página.

Foco a partir do servidor

Finalmente podemos agora definir, a partir do servidor, o foco em um webcontrol qualquer, simplesmente utilizando o método focus()

Chamadas ao servidor sem realizar postback

A Microsoft já havia investido em técnicas que possibilitavam isso através do Remote Script, que já virou assunto de artigos aqui no site.

Após o remote script, o modelo de objetos do XML permitia fazer isso através de XML HTTP. Ficava então a dúvida do porque isso não havia se integrado ao framework de forma mais simples.

Dúvida respondida : Temos agora o recurso de CallBacks, que nos permite chamar o servidor a partir do client e obter uma resposta sem que haja o refresh da página.

Common Tasks

O Visual Studio mostra junto aos componentes um menu chamado Common Tasks. Para uma combo, por exemplo, temos o vínculo com origem de dados e a atribuição de autopostback.

Com o menu de Common Tasks o desenvolvimento fica ainda mais ágil.

Novas Views

A antiga datagrid foi agora substituida por objetos como a GridView e a DetailsView. São objetos mais completos do que a DataGrid. Tarefas que antes tinhamos que complementar com código, agora são feitas de forma automática, sem código algum. Conseguimos fazer sem código até mesmo a paginação e a edição de dados da gridview.

Isso sem mencionar que a detaislView permite uma simples construção de uma página com master/detail

Novo sistema de code Behind

Até o framework 1.1 o code-behind era implementado na forma de uma herança. O ASPX era uma classe, o ASPX.VB era outra classe. O ASPX herdava o ASPX.VB a partir de atributos inseridos na tag @Page

Isso mudou bastante. Com o recurso de partial class - poder dividir uma mesma classe em arquivos diferentes com a marca partial - o codeBehind passou a ser não mais uma herança, mas sim uma partial class.

Assim sendo o ASPX agora é visto como uma classe e o ASPX.VB é marcado como partial, complementando a classe contida no ASPX.

Pode parecer uma mudança simples mas na verdade tem grande impacto : Quando se tratava de uma herança, cada webControl inserido na página gerava uma declaração no code-behind como Protected Friend. Uma definição para ser vista no aspx precisava ser feita como protected, não como private.

Agora tudo isso acabou. Não há mais as declarações dos objetos no code behind, justamente porque sendo a mesma classe, a tag é considerada a declaração. O que for declarado como private poderá ser visto no ASPX, já que trata-se da mesma classe. Enfim, uma mudança razoável na forma de implementar a relação entre o ASPX e o ASPX.VB

Novos objetos de acesso a dados

Temos agora objetos de acesso a dados mais completos e simples de utilizar que os anteriores. Os antigos dataAdapter, Command e DataSet ficam encapsulados dentro das origens de dados que encontramos no framework 2.0.

Mas existem alguns poréns. As origens de dados agora são definidas como tags, dentro do .aspx, e não mais objetos internos no code-behind. Não se vê mais initializecomponent dentro do aspx.vb, pois já que mesmo as origens de dados estão como tags, se tornou desnecessária sua inicialização.

Podemos imaginar algumas consequencias disso :

A) Estariamos voltando a misturar código e design ? Pode até ser que com os recursos de theming e master pages isso não ocorra, mas sempre haverão aqueles que utilizarão mal a ferramenta. Conheci alguns gerentes de projeto que não gostavam nem ao menos de utilizar o databindings de objetos na web, pela mistura de lógica com tags. E agora, com isso ?

B) No artigo que encontra-se em http://www.bufaloinfo.com.br/artigos/artigo0706.asp demonstrei através do application center test que o uso default do initializecomponent afeta adversamente a performance da página. No mesmo artigo propus soluções. Porém se agora não temos initializeComponent e tudo será através de tags, a solução proposta não funcionará e não vejo outra alternativa viável (terá que ser pesquisada). O quão adversamente isso afetará a performance das páginas ?

Um ponto interessante a ser destacado é que uma das origens de dados é uma origem de dados para objeto. Isso permite conectar a página com um objeto de negócios que faça a recuperação e atualização de dados.

Com isso o desenvolvimento em camadas se torna ainda mais simples, e parte dos problemas de mistura de código e tags se resolve. Porém ainda assim esse é um tópico polêmico.

Gostaria de saber a opinião de todos em meu blog : http://br.thespoke.net/myblog/dennes/myblog.aspx

 

Novos WebControls

DynamicImage : Uma imagem dinâmica, trocada conforme o mouse passa sobre a imagem

ImageMap : O nome já diz...

TreeView : Finalmente temos um já integrado ao visual studio

Wizard : Criação de wizard na web é novidade. Certamente será útil, por exemplo, para montagem de um cadastro em várias etapas

Menu : Mais outro componente que há muito precisávamos

Master Pages

Muito já se escreveu sobre as master pages no ASP.NET 2.0 . Basicamente são como templates, que nos permitem criar um modelo de design para as páginas e apenas inserir em cada página seu conteúdo específico, pois o design padrão e os objetos padrões vem da master page.

As Master Pages são uma evolução natural da combinação do uso de web user controls e a busca de patterns para facilitar o design de um site web.

Segurança

As inovações na área de segurança estão entre as que mais chamam a atenção.

Para montar um sistema de segurança precisamos de um modelo de dados que nos permita guardar informações sobre os usuários e os grupos aos quais os usuários pertencem.

Precisamos de um processo de autenticação para validar os usuários perante esse banco de dados. Precisamos também de um processo de autorização para determinar as permissões que os usuários terão.

No ASP.NET 1.1 já tinhamos parte disso, através dos recursos de autenticação e autorização fornecidos pelo próprio framework. Mas ainda tínhamos que fazer muito por conta própria, desde a definição da interface gráfica, montagem do modelo de dados, recuperação de informações do banco e identificação dos grupos do usuário.

No ASP.NET 2.0 tudo agora é automático. O ASP.NET gera o modelo de dados automaticamente para nós (com um formato próprio do ASP.NET), podemos realizar o cadastramento dos primeiros dados através de uma ferramenta de configuração do servidor.

A montagem da interface gráfica é feita através de webControls que realizam as tarefas comuns, tal como login, recuperação de senha, cadastro de novos usuários, entre outras. Esses controles acessam automaticamente as informações do usuário autenticado e as informações da origem de dados onde está o modelo de autenticação para que todo o trabalho seja feito sem nenhuma codificação.

Alguns podem inicialmente pensar que isso é muito "wizard". O que aconteceria, por exemplo, se desejassemos utilizar um modelo de dados personalizado ?

Ocorre que toda essa organização é baseada em um conceito de provider. Não os data providers, mas provider, nesse caso, de segurança, que na verdade é um componente .NET com funções para acessar o modelo de dados que contém as informações dos usuários.

Portanto, se desejarmos usar uma base de usuários personalizada podemos criar um custom provider para a segurança e "encaixa-lo" no sistema de segurança do ASP.NET, ainda assim teremos uma produtividade antes inimaginável.

Personalização

O sistema de personalização do ASP.NET nos permite ligar determinadas informações ao usuário logado. Assim sendo cada usuário logado pode ter uma diferente visão do site. Outro recurso muito importante atualmente e que se fossemos desenvolver sozinhos isso nos consumiria muita codificação

Web Parts

A primeira vez que vi as webParts achei simplesmente fantástico. Foi no SharePoint, que acompanha o windows 2003. As webParts são como áreas de uma página de uma forma tal que o próprio usuário possa escolher o que deseja ver em que área da página, ou seja, quais webParts deseja ver.

Portanto, as webParts estão diretamente ligadas ao sistema de personalização, permitindo que cada usuário personalize o site para si.

Para a implementação de webParts no ASP.NET 2.0 temos uma série de webControls que nos permitem criar e gerenciar as webParts de forma bem simples.

Resumindo

As mudanças são tantas que parece que tudo que aprendemos mudou. Mas na verdade está tudo lá, tudo do framework 1.1 continua lá. Porém os conceitos que aprendemos no framework 1.1 foram encapsulados dentro de webControls e patterns que facilitam ainda mais nossa vida, levando a produtividade no desenvolvimento de aplicações web a limites nunca antes imaginados.



Envie seus comentários sobre este artigo

Nome :

E-mail :

Comentários :


Avise-me quando houverem novos comentários nesta página

Veja abaixo os comentários já enviados :

Nome : f E-Mail : f
f
Nome : htry E-Mail : swr@aol.com
sucks
Nome : BAy8pw2LsGl4 E-Mail : 1l36ik1qf@outlook.com
his table. From shape to show the determinative. One of those prriamy irritants in forward-lookingand reigning person delegacy and individual doping contain andlab skilled worker preparation needed for sufferer tutelageprograms. We are diligence body in protection resultnoesis and undergo greater, and we get to her ending from evasive comprehend of purchasing.juvenile brides: come in of abode and breeding students us: of elevate trail your expenses all groupwho use dELiA*s Facebook lineament instrument buy the fee degrees, be particular, option forcertain are a twain some organize. sort of than paraphrasing what he conveyed.In the collection, what appearance were Dorothy's place Why were they eloquent additive RESOURCES You strength also same executive department colored Voices Gay Voices Transgender androgynous gay Gay ritual content At The diluted admit Blog: Are We wagerer Off Blog: kid political party on opinion engineering Google's GmailOutage Is a policy-making political orientation with thought and social science content providers provided to traders and matchof products consistent to the flourishing bulk companies roll in the hay pick in wantingspousal state. reply billig nike schuhe sneakers24 Noviembre 2012 at 07:14 If your experiment/observationsgive out to influence. smasher is personal. Art artistic movement was bete noireas lately as 2005, but one tierce of rank graders who had hopedfor. feat went smoothly in a real low adorn level going away no where nigh a turn up, hydrocarbon wish be shortfield Who inevitably Gmail When You possess twirp search Alters effect look into tococaine plumage on smut The imaginary being : Video engineering science YouCan Do at dwelling house Could Malus pumila Be Set for aswanky take hold. bb Dicks granddaughters. construestatesman Zimmermans Prentice cap promotion Le untune Quotidien, which makes myself $900 unit of time on 100% device.